3 de outubro de 2007

O Sol do meu amanhecer !

Hoje Cora despertou às 05:30hs.
Dormimos os 3 juntos, e todos os dias é essa glória, amanhecer com o sorriso da nossa solzinho ou então com seu semblante adormecido. De qualquer forma é prazeroso.
Como ela conversou....Blá blá blá...Blé blé blé....
Uma pena não entendermos patavinas do que ela fala.
E toda hora beijava ou eu, ou o pai.
Que delícia.

Ela tem um quartinho, todo rosinha, todo nuvem. E hoje vejo que perda de tempo montar quarto pra bebê.
Na verdade, montamos pra gente, para as visitas porque a criança, não tá nem aí pra isso.
O que é melhor??
Dormir em um berço, ou junto dos pais???
No calor das mantas, ou sentindo o calor da gente?
Tendo que berrar para ser alimentado ou pertinho do alimento??
Com certeza, se os bebês pudessem entender e escolher, ficariam com a 2°opção !

Um dia, a Cora vai curtir ter o cantinho dela, sua cama, seus pertences, seu espaço.
Mas, nesse momento isso não é o importante pra ela.

Tem muita gente que gosta de ficar dando lição de moral por conta disso.
"Olha, qdo crescer, vc não vai conseguir tirar de sua cama..."

A vontade que eu tenho é de falar,
"Pedi sua opinião?"

Aqui adotamos a cama familiar, inicialmente porque era muito mais fácil amamentar a Cora durante a noite.
Nunca tive problemas para dormir desde que ela nasceu (apenas nos 15 dias inicias, mas esse período acho que ela estava se adptando a esse mundo fora do útero), nunca fiquei vagando de lá pra cá para poder dar o peito.
Foi a melhor coisa que fiz, e no próximo, com certeza farei a mesma coisa.

Não acho que estejamos causando algum problema futuro para a cabeça dela.
Tudo tem seu tempo, agora é tempo de ninho.
Qdo ela quiser, ela terá o cantinho dela a disposição (que agora só serve pra guardar suas coisinhas e para ela brincar).

Amor nunca é demais!
Amor a gente não dosa, a gente dá!
Não vamos confundir.

E um Bom Dia pra vcs!
beijocas

PS: Vou postar aqui dois textos que falam sobre "Cama Familiar"


Dez razões para dormir perto do seu filho

Uma família que dorme unida tira vantagem da facilidade com que um bebê pode ser amamentado, pois não é necessário buscar o bebê em outro quarto para amamentá-lo. Uma mãe que amamenta em uma "cama familiar" pode alimentar seu filho facilmente sem estar totalmente desperta e assim não deixa de obter o repouso de que necessita. Assim, dormir em família incentiva as mães a prolongarem a amamentação e todos os seus inumeráveis benefícios por mais tempo.
Falhas respiratórias são normais nos primeiros meses de vida e se não forem evitadas ou cuidadas podem causar a "síndrome da morte súbita infantil" (SMSI). Pesquisas recentes sugerem que dormir acompanhado pode ajudar a evitar essa triste ocorrência de duas maneiras. Primeiro, pequisas recentes mostraram que a respiração da mãe dá importantes pistas para o filho lembrar de puxar o ar depois de uma expiração, evitando assim a ocorrência da SMSI. Segundo, mesmo que esse sistema falhe, a mãe está próxima para ajudar, acordando a criança. Uma mãe que amamenta tem com seu filho ciclos de sono e sonhos coordenados, o que a torna altamente sensível ao bebê. Se estiverem dormindo próximos, ela acorda automaticamente se houver uma falha respiratória mais longa. Mas se o bebê estiver sozinho, esta intervenção salvadora não será possível.
Em geral se considera a sufocação como um risco de se dormir em família. Mas esse risco só existe em duas situações: um bebê dormindo em um colchão de água, que o impede de se erguer quando necessário, e pais muito intoxicados com álcool ou drogas para atender a criança. É evidente que uma criança que sufoque por qualquer motivo (uma fita do pijama que se enrole no pescoço, vômitos durante o sono ou crises de asma) tem muito mais facilidade em acordar seus pais se estiver dormindo perto deles do que se estiver dormindo em outro quarto.
Qualquer perigo noturno é reduzido, se a criança tiver um adulto próximo. Crianças e bebês morrem em incêncios, sofrem abuso sexual de parentes em visita, caem da cama, são atacados por animais de estimação, sufocam com vômito e podem ser feridos ou morrer de vários modos que poderiam ser evitados por um pai ou uma mãe próximos.
Em geral se tem a impressão errada de que dormir em família facilita o abuso sexual da criança por um dos pais. Mas a verdade é o oposto. É bem menos provável que os pais que criam profundos laços afetivos com seus filhos permanecendo próximos e disponíveis tanto de noite como de dia, tenham atitudes agressivas de qualquer tipo contra as crianças que eles amam e cuidam. Por outro lado o fato de uma criança dormir sozinha jamais foi uma boa proteção contra um pai ou uma mãe com intenção de abusar sexualmente, e pode mesmo facilitar a manutenção do segredo de um dos pais.
O sono em conjunto também pode evitar a agressão da criança ajudando toda a família a obter o repouso necessário, principalmente quando a criança está sendo amamentada. A criança não precisa sofrer desnecessariamente nem chorar para chamar sua mãe, e a mãe pode amamentar semi-desperta. Toda a família acorda descansada, sem os ressentimentos das noites perturbadas pelo choro do bebê. É mais fácil um pai ou uma mãe exaustos agredirem o filho do que se estiverem descansados e tiverem compartilhado o sono tranqüilo da criança durante toda a noite.
O choro é um sinal que a natureza inventou para perturbar os pais, de modo que as necessidades da criança sejam atendidas. Mas o choro prolongado cria tensão para toda a família. Quanto antes as necessidades do bebê forem atendidas, mais tempo o bebê e toda a família poderão repousar, e mais energia terão no dia seguinte. Uma mãe que dorme junto do bebê pode utilizar as reações insitintivas que uma mãe tem ao primeiro soluço de seu filho, e com isso evitar a necessidade de choro forte que é tão desconfortável para o bebê quanto para os outros membros da família.
Um sentimento profundo de amor e confiança costuma se desenvolver entre irmãos que dormem próximos, diminuindo a rivalidade entre os irmãos durante o dia. Irmãos que compartilham tanto a noite quanto o dia têm mais oportunidade de construir um relacionamento profundo e duradouro. Bebês e crianças que são separados de outros membros da família durante o dia (pais que trabalham, irmãos que vão à escola) podem se refazer parcialmente dessas ausências e reestabelecer vínculos emocionais importantes passando a noite juntos, além do agradável início de manhã em família que em geral não seria aproveitado em outra situação. É claro que trabalhar em casa e desescolarizar podem reduzir as separações e aprofundar os laços familiares durante o dia, assim como o dormir em conjunto faz à noite.
Pesquisas sobre adultos em coma mostraram que a presença de outra pessoa no quarto melhora significativamente a freqüência e o ritmo dos batimentos do coração e a pressão arterial. Parece razoável supor que crianças e bebês também desfrutem desses benefícios à saúde dormindo com outras pessoas no quarto.
Uma criança que é igualmente cuidada de noite e de dia recebe confirmação constante de amor e apoio, em vez de precisar lidar com medo, raiva e sentimento de abandono noite após noite. Crianças que se sentiram seguras dia e noite ao lado de uma mãe ou de um pai amoroso irão se tornar adultos que lidam melhor com as tensões inevitáveis da vida. Como John Holt assinalou com eloqüência, ter o sentimento de amor e segurança no início da vida, em vez de "estragar com mimos" uma criança, é como "dinheiro no banco": um fundo de confiança, auto-estima e segurança interior a que a criança pode recorrer para enfrentar os desafios da vida.


**********************************************************************


O médico americano James McKenna, professor de antropologia biológica ediretor do Mother-Baby Sleep Laboratory, da Universidade Católica de NotreDame, defende o ponto de vista de que, muito mais do que um conforto para pais e filhos, dormir na mesma cama ajuda a construir um adulto seguro e positivo.Interessante notar que Dr. MacKeena iniciou suas pesquisas quando percebeu,"por acidente", que o próprio filho relaxava e dormia bem ao seu lado, possivelmente porque o ritmo de respirações entre eles se sincronizava.Em seu laboratório, estudou os padrões de sono e as ondas cerebrais dos bebês, com auxílio de eletrodos, registrando batimentos cardíacos, respiração, movimento e outros parâmetros, comparando pares de mães-bebês que dividem a cama com os que dormem sozinhos. Os bebês que dormem com as mães despertam mais vezes e também ficam menos tempo em sono profundo do que os bebês que dormem sozinhos. Isso se deve provavelmente aos sons e movimentos da mãe durante seu próprio sono ( J. McKenna et al., "Sleep andArousal Patterns of Co-Sleeping Human Mother-Infant Pairs: A PreliminaryPhysiological Study with Implications for the Study of the Sudden InfantDeath Syndrome (SIDS)," American Journal of Physical Anthropology 82, no. 3(1990): 331-347)Este estímulo durante a noite foi sugerido como uma possível proteção contra a síndrome da morte súbita infantil (SIDS). Uma teoria para a causada SIDS é que as crianças dormem tão ruidosamente que são incapazes de despertar a si mesmas e continuar respirando durante um episódio de apnéia.Estudos comparativos entre várias culturas mostraram que, nas culturas em que os bebês são pegos no colo regularmente e em que as mães dormem com as crianças, a média de incidência de SIDS é mais baixa comparada às médias das culturas em que estas práticas não são seguidas (observação: as pesquisas não indicam que dormir sozinho causa SIDS, mas sugerem que o bebê dormir coma mãe pode ser um fator de proteção contra SIDS) (A Reasonable Sleep.Evolution suggests that if we sleep with our babies, we might help some ofthem escape sudden infant death syndrome. By Meredith F. Small DISCOVER Vol.13 No. 04 April 1992 Medicine).Além da regulação da respiração e possível proteção contra SIDS, o contato físico do bebê com os pais pode ajudar a regular outros sistemas corporais do bebê. Quando um bebê é colocado no peito da mãe, coisas impressionantes acontecem: se o bebê está muito frio, a temperatura corporal da mãe se eleva para aquecê-lo, se está muito quente, irá diminuir para esfriá-lo, processo chamado "sincronia termal". Estar próximo de seu corpo também ajuda a regular padrões de sono, taxa metabólica, níveis hormonais, produção enzimática (ajudando na habilidade do bebê de lutar contra doenças), taxa debatimentos cardíacos, respiração, sistema imune (Margot Sunderland, Thescience of parenting. DK Publishing Inc. (2006; Bergman N. More than acuddle: skin-to-skin contact is key. Pract Midwife. 2005 Oct;8(9):44;Jackson D 1999 Three in a bed: The benefits of sleeping with your baby,Bllomsbury, London).Vários estudos mostram que a fisiologia de bebês que dormem com suas mães é mais estável, incluindo temperatura, regulação de ritmos cardíacos e menos pausas em respiração que bebês que dormem sozinhos (Field, T., Touch inearly development, N.J.: Lawrence Earlbaum and Assoc., 1995; Reite, M. andJ.P. Capitanio, "On the nature of social separation and social attachment",The psychobiology of attachment and separation, New York: Academic Press,1985, p. 228-238).Dois dos maiores responsaveis desse coquetel *hormonal* são *Ocitocina *, o hormonio das ligações de afeto- tb conhecido como "hormonio do amor",e *prolactina* um hormonio critico para iniciação da lactação que é chamado frequentemente de "hormonio da maternidade". Ocitocina está envolvida em seja qual face do amor considerarmos- é liberada durante o sexo e tb foi relacionada evocar comportamento maternal se injetado em cérebros de ratas virgens.Ocitocina sozinha é parte de um balanço *hormonal* complexo. Um aumento repentino de ocitocina dá motivação ao amor que pode ser direcionado em caminhos diferentes, e por isso existem diferentes tipos de amor (por exemplo, com alto nível de prolactina esse desejo é direcionado aos bebês).Para maiores informações e artigos sobre cama compartilhada em português:http://camacompartilhada.multiply.com/(PS: esses são trechos de um artigo que escrevi sobre cama compartilhada que entrara resumidamente no livro "Pediatria Radical", a ser lancado no Brasil em outubro agora).Espero que ajude, beijos!Andreia

Um comentário:

Márcia disse...

Minina, é mta coisa pra ler! afff...tô zarôia!
Vc é um ser tão iluminado! Putz, to mortinha de saudades e doida pra ver a Corinha roqueirinha da titia!
Que ela sempre seja a Mayha da sua vida!
bjs, te adoro muitão
Marcinha