13 de abril de 2015

Doce Ganesha...


Semana passada, perdemos Ganesha...
Quinta-feira, Binho foi cuidar dos dogs pela manhã como de costume e encontrou-a morta.
Morreu dormindo.
Passei um dia tão chateada, meio que angustiada sabe? Porque sempre que algum bicho meu morre, me passa um filme na cabeça, desde o dia da chegada dele, até os últimos momentos.
Nos primeiros, eu quase morria junto, era uma dor tão profunda, tão grande que você até pensa que vai enlouquecer, mas com o tempo, e sendo uma criadora, a gente começa a criar meio que uma carapaça, você não se desespera mais, consegue visualizar aquilo como um fechamento de ciclo, e aceita...
Levei anos pra ter essa consciência, que foi adquirida a ferro e fogo, mas isso não significa que tenha doído menos, ou que amasse menos ela aos outros que já se foram no início do nosso envolvimento com dogs.
Simplesmente é assim!

Ganesha tava com 8 anos, nunca nos deu filhotes, logo nova teve uma piometra e tivemos que castrá-la.
Ela era muito meiga, nunca nos deu problema com brigas, sempre aceitou todos os dogs numa boa, aturou todos os filhotes que chegaram depois dela com muito carinho. Era muito brincalhona, gostava de correr e interagir com quem quer que fosse. Também era esganida de fome, nunca entendi o por que dela ser tão gulosa, já que sempre teve boa comida durante toda a vida. rs

E lá foi ela, se juntar aos nossos outros queridos na "Ponte do Arco-Íris" e comigo fica a sensação de que quando meu dia chegar também, sempre recebida pelos meus filhos todos de quatro patas: felinos e caninos.

Obrigada Ganesha, sua existência coloriu e muito a minha vida!!!
Mamãe sempre vai te amar e lembrar de vc!!


Imagem: Ganesha e Léo, ainda filhote (arquivo pessoal)

12 de abril de 2015

Memória



Fui ao sótão
Toda vez que estou 
Triste
Vou ao sótão

Ele me piora enormemente
Lá estão as lembranças
Dormentes
E os formigamentos
Nas mãos e pernas

O bom é sofrer
Feito labareda
Para se consumir
Inteira
E logo.

(Adriane Garcia)

Imagem: Obra da artista plástica mineira Neuza Ladeira


11 de abril de 2015

Pisciano




É líquido pulsar de vida
Manhoso e de visco delicado
Um estrondo
Seu pulo nas seivas:
O amor é um peixe
O amor é um anzol
O amor é a água das sedes
Na concha das mãos.

(Adriane Garcia)




10 de abril de 2015

8 de abril de 2015

Será?



O que machuca, o que dói demais e me mata aos pouquinhos é o desprezo e a indiferença...
Acho que não mereço isso...

Ou será que mereço?


18 de março de 2015

Pequenas Aventuras 43




naquele momento,
em que o coração sufoca
e a mente exausta,
de tanto caminhar
procura um sossego
um lugar para desaguar 
seu grito

ela encontra na música
seu alívio...

[Ana Sixx]

17 de março de 2015





O sofrimento solitário
é minha fortaleza
contra a vida.
Sinto tanto, 
por tanto 
tempo, 
que perco
a noção de
minha realidade.
É contradição pronta
que induz imediatistas
ao julgamento simplista
de minhas desatenções.
Meus melhores amigos
são firmes e complexas
criações que sempre
habitaram minha 
irremediável
e intuitiva
imaginação.
Prefiro o argumento
descontrolado de minhas
personalidades ao sacrifício,
sempre superestimado, da
tentativa de explicação
do pouco de mim
a outras mentes, 
outros universos.
Vivo, portanto, 
dentro de mim, 
sofro comigo, 
com meus 
muitos eus
e seus inimigos.
Não é o que devemos
aprender nesta vida?
A devastadora lição
de que nascemos
e morremos
sozinhos,
perseguindo a ilusão
de uma conexão 
que jamais
será encontrada
fora de nós mesmos?

(Larissa Caramel)


16 de março de 2015

Rejeição



Nesse final de semana fiquei refletindo sobre Rejeição.
Pensando, no por que nos colocamos nessa situação...
Não vou nem entrar no mérito do por que uma pessoa rejeita a outra, fria e despreocupadamente, porque realmente eu não conseguirei nunca chegar a uma resposta.

Mas, me interessa saber, por que nos colocamos assim....
O que nos leva, a estar sempre fazendo o mesmo movimento, seja inconsciente ou não, de nos colocarmos em situação tão abjeta...
Qual a necessidade disso?
O que nosso espírito ganha?
O que nosso amor próprio ganha?
E sabedores disso, inclusive com todos esses questionamentos montados, por que não conseguimos simplesmente largar mão dessa situação?
O que nos atrela de forma tão enlouquecida a certas relações?
Por que nosso coração não acompanha nossa mente?

Olha, vou lhe dizer....Rejeição é um troço que dói demais...
Mais do que uma palavra, mais do que uma atitude...
O silêncio massacra....ele te fere tão, mas tão profundamente que chega a não ser possível cura para tal ferida, porque ela fica ali, pulsando sempre.
Por que não tem explicação...não tem motivo....

Quem passa ou já passou por isso, certamente irá entender o que estou falando.

Por aqui fico ainda refletindo sobre esse tema, quem sabe um dia eu não compreenda?

15 de março de 2015

26 de fevereiro de 2015

Viva 44 !!!!



E ontem completei 44 anos de vida!!
Que barataço!!!! Quase 50 anos, quase meio século!!
Confesso que quando penso em números fico um tanto quanto tonta, porque sou um elo perdido e não me vejo com tudo isso. O corpo já dá seus sinais, isso é inevitável, mas euzinha, me sinto muito viva!! Querendo fazer muita coisa, viver muita coisa....
Passei meu dia sonhando com tantas loucuras, pensando na minha vida toda, nas coisas que amo, que ainda desejo, outras que desejo enlouquecidamente mas que jamais terei, enfim, foi um dia bem reflexivo.
Recebi muitas felicitações de amigos, por telefone e por facebook.
Me emocionei por demais com duas postagens, que tocaram direto no meu coração e nas coisinhas aqui dentro...A vida é feita disso, de pequenas grandes emoções!
Fiz questão de agradecer cada pessoa, e confesso que apesar de amar esse momento, no final já tava até com a vista zoada, kkkk

Enfim, é isso
QUARENTA E QUATRO ANOS!!!

Que venham muitos outros, e que eu consiga continuar no meu caminho com paz e amor, e espalhando alegria e boas gargalhadas por onde eu passar.

Obrigada Vida, eu AMO você!!